Close
27 de março de 2020

Nome Fantasia e Marca – Aprenda a escolher o nome da empresa

Compartilhe este post nas redes sociais!

Facebook
Twitter
LinkedIn

Vamos falar hoje de nomes de empresa. Uma das principais dúvidas que os empreendedores apresentam é: o nome fantasia que consta no CNPJ é a mesma coisa que marca?

Não, não é! Vamos entender a diferença.

Nome Fantasia x Marca

O Nome Fantasia está presente em seu cartão CNPJ, abaixo do nome empresarial, e visa conceder um nome comercial para sua empresa, produtos e serviços.

Vejamos este exemplo:

Nome Empresarial: José Maria Ltda.
Nome Fantasia: Casa dos Cobertores.

Certamente, o nome fantasia é mais adequado para fins comerciais do que o nome empresarial. A definição de um nome fantasia não é obrigatória e não tem proteção legal; por isso, ele não se confunde com a marca.

A marca é um nome, símbolo, desenho ou sinal, ou a combinação destes elementos, que identificam um produto ou serviço e o diferenciam dos concorrentes.

A Marca é, portanto, o elemento visual que identifica o seu produto ou serviço no meio dos demais. Ela possui um grande valor em si, embora seja uma figura imaterial. Lembra das grandes marcas que fazem parte do nosso dia-a-dia? Apple, Coca-Cola, Volkswagen, Nescau, Havaianas: você pode não ter ou consumir, mas certamente sabe a que produtos estas marcas se referem, e tem uma opinião sobre elas.

Este é o poder da marca. O que ela simboliza ultrapassa o caráter material do produto ou serviço, ela atinge o imaginário da população.

As empresas que citadas trabalharam a sua marca ao longo do tempo, e continuam investindo nelas, para se manterem na lembrança dos consumidores de forma favorável.

Existe um trabalho árduo por trás de toda marca bem firmada, que no final se resume às características preservadas pela cultura definida pelo empreendedor. Não por acaso a palavra “apple” invoca “inovação”, não é mesmo?!

O poder da construção da marca

Claro que a imagem da empresa é definida por um conjunto de fatores, e não apenas pela marca, mas não menospreze o poder que ela tem e o quanto ela reflete a ‘cara’ da sua empresa.

A construção da tipografia (letras) e logo (letras + símbolo) deve constituir um processo cuidadoso, com envolvimento direto das pessoas-chave da empresa, para poder resultar em algo que todos da organização se identifiquem.

A proteção da marca ocorre a partir do registro no Instituto Nacional da Propriedade Industrial – INPI. O INPI apresenta algumas classes possíveis para registro, de acordo com a atividade empresarial e, no mesmo sentido do nome empresarial, é preciso fazer uma pesquisa para verificar se a marca (de forma idêntica ou similar) já está sendo utilizada por outra empresa.

Neste ponto, o registro da marca pode ser um pouco mais trabalhoso e técnico, o que torna comum a busca por auxílio profissional para registros desta natureza.

E a partir da marca, podemos escolher então um nome para representá-la na web, muitas vezes vitrine para futuros clientes e que desempenha o primeiro contato com o público. Fica ligado no próximo artigo pois vamos tratar sobre este assunto. Até lá!

Você também pode gostar de:

Categorias
Envie uma mensagem!